FEELINGS ÔUÔUÔU FEELINGS

Um post da fantástica Marina W sobre o quanto as histórias de amor se parecem, me fez pensar sobre isso. Parecem mesmo. A Marina conta de um papo com um motorista de taxi casado há 21 anos que lhe disse coisas como "achei estranho, qdo fui conhecê-la eu avisei aos colegas 'estou indo conhecer a mulher da minha vida'. E até hoje ela é... Quando a conheci comecei a ver a vida com mais clareza... foi...está sendo muito bom." E disse também que sente "uma pontada de felicidade".

Lembrei imediatamente que quando Megero Pai conheceu a Megera Mãe (ela o convidou por educação para sua festa de 15 aninhos, já que ele estava hospedado na casa da prima que era convidada), há quase quarenta anos, ele foi buscar a roupa da festa e pediu que a tia se apressasse porque “conheci a mulher da minha vida”.

Bem, é minha tese antiga que amor para amar mesmo, amor de amar muito, amor de amar pra sempre (mesmo só que enquanto dure) é amor que abala de cara. Olhou e pensou "ai". Também pode olhar e pensar "caraca", "u-huuuuu", "Bah!", "aimeudeus", "fodeu", etc., mas tem que dar aquele tchans, sacumé, aquele impacto, tem que fazer "sartá" butiá dos "borso", tem que bagunçar o coreto, tem que abalar Bangú. Aí pode ser grave, aí a porca pode torcer o rabo, a vaca pode ir pro brejo, aí pode ser Pt. saudações e abraço pra torcida.

Bem, que a sensação existe, para mim é evidente. Assim como o taxista e o Megero Pai, já ouvi outras histórias dessas.

Assim, rapazes, se vocês tiverem essa cousa, esse feeling, esse insight, essa visão, esse troço, façam o favor, vão lá e confiram, se empenhem, que passar a vida tendo pontadas de felicidade é tudo de bom.
por Ticcia, às 09:09 de 26.04.2005 - Categoria: Crônicas Cretinas

Luli comentou:

Mas será que todo mundo consegue isso... aimeudeus...

http://www.es-nao-es.weblog...
às 09:54 de 26.04.2005

Aninha comentou:

Que existe, existe... é como é bom viver isso!
Mas tbm ter as partezinhas chatas, que desanimam às vezes...
Mas é engraçado pq, a gente passa por isso e sofre, aí fala que não quer mais isso, blá, blá, blá... e num piscar de olhos, olha lá nóis de novo na situação!
Acho que a gente faz de tudo, e tudo de novo, só pra sentir aquele sentimento gostoso de novo!
às 10:14 de 26.04.2005

Greice comentou:

Acho que este sentimento imediato existe, mas não é regra...
Quando conheci meu marido eu pensei: "quem é esse mauricinho metido a besta que se acha o sabe-tudo?"
Depois que eu fui reparando que ele era exatamente tudo que eu sonhava, e nem sabia... rs
bjs
às 10:30 de 26.04.2005

Janaina comentou:

Meu comentário não tem nada a ver com este post. Lembra daquele post do Egão, da orelha no Focando? Então... Por culpa dele estou aqui no escritório cantando: São João, São João, acende a fogueira do meu coração! Pergunto-lhe dona Ticcia: que faço eu para tirar esta pérola junina do meu tão ocupado cérebro???? Beijão!!!
às 10:45 de 26.04.2005

Ticcia comentou:

*************
Janaína, minha adorada noiva da roça, isso só tem UM JEITO: aprender a letra todim, todim pra cantar com bastante entusiasmo.

Óia que linda:

"O Balão vai subindo
Vem caindo a garoa
O céu é tão lindo
E a noite é tão boa

(bem alto, todos juntos!)
São João, São João,
Acende a fogueira do meu coração."

U-huuuuuuuuuuuu. Enjoy.

*****************
às 10:50 de 26.04.2005

Mythus comentou:

Caraca, será que alguém achou a *minha* mulher e seqüestrou ou pensou que era a dele?! Eu me ferrei? Diz ai. :^/
às 10:51 de 26.04.2005

Ju - Londres comentou:

Depois de ano de namoros e terminos, vim para Londres para estudar por um ano.
Um dia, do nada, desanimada da vida, resolvi sair com umas amigas.
Logo que entrei no bar, vi o Daniel (que hoje e meu marido) e ja levei aquela 'fisgada'.
Ficamos juntos naquele dia.
Uma semana depois estavamos chorando porque ele nao queria que eu voltasse para o Brasil e eu nao queria voltar sem ele.
Quinze dias depois ja estava na casa dos pais dele, 3 meses depois fomos para o Brasil juntos para ele conhecer meus pais e 4 meses depois nos casamos.
Hoje, depois de 2 anos, ainda sinto aquela 'pontada de felicidade' so de olhar para ele e toda vez que tenho saudades do Brasil, penso nele e no quanto ele e importante para mim.
às 10:59 de 26.04.2005

Patileine - Menina de 30 comentou:

Há exatamente um ano eu me sinto desse jeitinho aí. Me refiro a um certo ser como "o homem da minha vida", dos jeitos mais tranqüilos e mais apaixonados do mundo. Espero do fundo do coração, ter uma história engraçada para contar a esse respeito daqui a 40 anos. Ou um ano. Não importa. O que espero mesmo é o final feliz. (TPM total, já viu, né?)
às 11:00 de 26.04.2005

Janaina comentou:

Bandida!!! Eu já sabia a letra todinha!! Mas enquanto estava lendo a resposta do comentário, claro que fiquei cantarolando!!!!! Já decorei aqui tudo com bandeirolas. Não acendi a fogueira porque o síndico chegou antes. Deixa ele virar as costas...
às 11:07 de 26.04.2005

Janaina comentou:

E o quanto é bom ouvir a voz "daquela" pessoa e sentir borboletas no estômago e ver o corpo arrepiar. Ai, ai... Eu também acredito em amor eterno, assim como Nelson Rodrigues (se não me engano): Todo amor é eterno, se não era eterno, não era amor.
às 11:11 de 26.04.2005

Cam Seslaf comentou:

Concordo totalmente com a sua teoria do primeiro impacto, dona Ticcia.
Coisas que vêm de mansinho também podem ser ótimas e coisa e tal, mas as que chegam com um "brado retumbante", ai, ai.
E a minha frase favorita é "fodeu", mesmo, hohoho! ;D
às 11:12 de 26.04.2005

Rosinha Monkees Viegas comentou:

Putz, pior que sinto tudo isso só de PENSAR nele... mas ele não sente o mesmo, fazer, né? Só arrancando o meu coração para acabar de vez com isso tudo! E, então, quem sabe, colocar no lugar um fígado ou intestino... só arranjo porcaria na vida!
às 12:49 de 26.04.2005

Patricia do Rio comentou:

Com o homem que eu achava que era o amor da minha vida, senti isso tudo: pontadas no coração, borboletas rodopiando no estômago. Durou oito anos, tempo em que descobri que tanto amor também acaba. Com o meu atual namorado, não senti nada disso, simplesmente achei interessante, atraente, nada mais. Sempre fomos muito diferentes e eu apostava que não passaria de um caso (e eu andava com namorofobia, Ticcia). Já se vão dois anos e meio e eu venho descobrindo que amor também nasce e cresce com o tempo.
às 15:12 de 26.04.2005

Dune comentou:

Sou adepta do romantismo...Tb espero sentir os "butiás caindo do bolso", um felling e aliás, sou uma escorpiana nata, muito sujeita a ter insights. Mas por outro lado, lendo os comentários e com anos de poltrona escutando as pessoas sobre suas relações amorosas, a única coisa q posso concluir é que cada relação é única, cada forma de amar é nova e que é claro Ticcia que com uma referência familiar assim, ficaria muito mais fácil para vc repetir essa história. O importante é amar, seja o outro, seja a nós mesmos, de forma desenfreada ou devagarinho...Bjs
às 16:09 de 26.04.2005

Ticcia comentou:

***********
Dune, eu queria dizer, assim de público, que eu simplesmente ADORO os teus comentários. ADORO. ADORO. Pronto, disse.

***********
às 16:11 de 26.04.2005

Dune comentou:

E eu queria te dizer em público, embora prefira as coisas particulares e privadas..rs..que ao ler pela primeira vez um texto teu, me senti esturricada, com borboletas no estômago, embasbacada, nonsense...e tive certeza que por ser um amor assim de cara, irei sentir pontadas de felicidade a cada nova leitura. Amo o que vc escreve...e como sei que escrever é uma forma de objetivar a alma e subjetivar a vida...Te amo tb.Bjs
às 19:58 de 26.04.2005
ver tabela de smileys: aqui
Este post não permite comentários