25.07.2005

TOMA NA TUA CARA

Eu vi, eu vi, eu vi a Carmella.
CARALHO! Ela é lindona, magérrima e megeríssima.
Bú, pra voceis, mortais.

* * * * * * * * * * *

Eu me contento com um Samurai de honorários sucumbenciais.

por Ro, às 14:16 de 25.07.2005 - Categoria: Informes Infames
Ver Comentários

No Caso!

Sem entrar nas polêmicas suscitadas pela Dra. Patrícia, até por que nunca ouvi a música e nem me darei ao trabalho, como defensora dos Direitos Humanos, tenho a dizer que o lugar de abusador sexual é na cadeia e, de pedófilo, no cemitério. E tudo dentro da lei e da ordem, se é que vocês me entendem.
por Ro, às 13:41 de 25.07.2005 - Categoria: Tolerância Zero
Ver Comentários

POLÊMICA II

É notório que a maioria esmagadora dos casos de abuso sexual de menores acontece dentro de casa e quem os pratica são pais, padrastos, tios, avós, primos. Três em cada dez meninas gaúchas sofrem algum tipo de abuso sexual na infância.

Não acho que incitação à pedofilia deva ser tratada como incitação a sexo. Há sempre uma enorme diferença quando se trata de duas pessoas adultas e livres para fazerem o que bem lhes aprouver (contaminar-se com DST's, morrer sodomizado por cavalo, ferir-se, sentir dor, etc.). Isso é cada um, cada um. Seja feliz como você acha que pode/ deve/ quer.

Outra coisa é instigação à pedofilia, incestuosa ou não. E não venham me dizer que uma música não influencia. Tudo influencia, em maior ou menor medida, dependendo do apelo e de quem sofre a influência. Os publicitários estão aí para me dar razão. A música diz (e eles admitem que a música diz mesmo isso, primeiro quando veicularam com letra modificada, agora ao afirmar que essas coisas existem mesmo, ó que novidade) que é isso é bom e é normal sim, por que não. Pois não é. Não é mesmo. Por que não? Eu digo porque não. Porque uma criança é uma criança. Porque tem direito a formar sua libido, de não ser abusada, não ser molestada, não ser violentada. Tem direito de amadurecer e fazer escolhas, de ser saudável psicologicamente, de não ser traumatizada, de não ter a sexualidade imposta, de não ser exposta a estímulos e atos para os quais ainda não está pronta. Por que não? Porque ela ainda não tem escolha, basicamente.

Mas eu tenho. Não acho que se possa proibir a venda do CD, ou entraríamos no velho debate de quem decide o que é bom ou mau, o que presta e não presta, o que serve ou não serve, quem defende a moral e os bons costumes. Mas eu posso não comprar o CD, não ouvir a música, não ouvir na rádio. Se tocar, mudo a estação, se mostrar na TV, mudo de canal.

Até simpatizava com a banda. Gosto das outras bandas que participaram do acústico e amo o rock gaúcho. Ao contrário do que algumas pessoas disseram nos comentários, acho que o provincianismo, neste caso específico, é todo nosso. Se a música tinha outra letra, pra que mudá-la exatamente agora, no Acústico MTV? Para aparecer pela polêmica? Eu preferiria que o rock gaúcho fosse reconhecido por seus outros tantos méritos - esses perenes e verdadeiros - e não por causa de uma letra asquerosa dessas. Sinceramente, um nojo.

por Ticcia, às 12:02 de 25.07.2005 - Categoria: Boca no Trombone
Ver Comentários