27.10.2005

Quem procura acha. E não só sarna...

A pessoa foi obrigada a passar pelos camelôs ontem quando se digiria à Galeria do Rosário ver se encontrava um telefone. Não achou. Evidente. Daí foi obrigada a recorrer ao seu Darci (mentira, ligou para a filha dele que é super comestível), do Galeão Espanhol. Saiu do antiquário com o aparelho em mãos pela singela e mótica quantia de duzentos real.

Chegou em casa e ficou com as unhas em estado deploráveis, depois da limpeza e pintura no aparelho (sim, a pessoa passou tinta de sapato no telefone e ficou ótemo).

Contudo, hoje pela manhã, o homi da brasiltelecom foi verificar os fios e testar o aparelho. Ticcinha, do outro lado da linha (quero registrar que ela foi absolutamente contra a minha nova aquisição, que ficou um bafo, só por que na casa dela não ia combinar e ela tem preferências esdrúxulas, como toda gente sabe) reclamava de suposto chiado:

- Tem pipóca neste telefone.
- E agora?
- Agora não. O que tu fizeste?
- Nada. É o aparelho do técnico.
- Rá! Tô falando...
(e tive que aguentar um plá plá plá interminável, que ela é uma chata!)

Pois, agora a tarde, para se penitenciar, Ticcinha conseguiu telefones de técnicos, para que a pessoa pudesse trocar a cápsula do aparelho.

A pessoa ligou para o primeiro: R$ 50,00. Ligou para o segundo: R$ 8,00 e ainda vai em casa testar se fica bom.

Conclusão: a pessoa deve ter voz de estúpida.
por Ro, às 17:31 de 27.10.2005 - Categoria: Tolerância Zero
Ver Comentários

Das diferenças nossas de cada dia...

Ontem, no jantar, eu e a marida estavamos nos dando conta do quanto somos diferentes em alguns aspectos. Em casa, ouvindo o Almir Sater cantar a música das maças bem alto (sim, a versão da Bethânia também é um bafo, mas eu prefiro a original), eis que a pessoa olha pra estante e tem um acesso de riso descontrolado.

As duas Megeras tem imagens chiquérrimas de Santos na estante: Ticcinha, São Francisco de Assim, com um gatinho no colo; Rozinha, São Jorge, de veludo vermelho.

por Ro, às 16:49 de 27.10.2005 - Categoria: Inventários Inusitados
Ver Comentários

FAFÁ CANTA PARABÉNS PARA LULA.



HAUHAUHAUHAUAHUHAUHAUHUAHUA.

Putaquemeparéu, 'cês vão me desculpar, mas a piada eu não posso perder. Cada um tem a Marilyn que merece.

(Veneno: ela tentou adaptar o modelitcho, reparem.)
por Ticcia, às 15:16 de 27.10.2005 - Categoria: Mexerico, Bisbilhotice e Intriga
Ver Comentários

Da Série GORDA, FORTE E BONITA: nesta família, bonita nunca vem antes do gorda e forte.

Teve comemoração do aniversário de 19 aninhos da Dona Renata no final de semana. Daí mamãe Maugareti entupiu suas filhinhas de doces (assim, tipo, levar um pratinho de restos no final da festa pra casa). Hoje, Betinha e Faelinha descobriram que as mimosas filhinhas só comeram os docinhos que mamãe Maugareti fez, os outros (da doceira feena) estão envelhecendo na geladeira. Porquê, senhoras e senhores, entre não é ruim e é bem bom tem uma enooorme diferença.

por Ro, às 13:31 de 27.10.2005 - Categoria: Dieta
Ver Comentários

DAS INSONDÁVEIS RAZÕES DAS BANHAS ou porque as ricas não engordam.

É o que eu digo sempre, mosfios: as banhas tem razões que a própria razão desconhece.

A pessoa passa 30 dias de dieta rigorosíssima e perde 4 quilos no puro sofrimento para sair de férias com folga. Aí vai, come feito uma porca etíope, volta 5 quilos mais fofa. Nada mal para férias num país onde o esporte nacional é comer: 1 quilo de saldo negativo. Pois 15 dias depois, de volta ao recôndido do seu lar, numa postura totalmente desencanada de dieta, phoeda-se, perdeu 3 quilos.

A única explicação possível é que banhas ganhas com boa comida são menos apegadas a mim que as ganhas à base de arroz, feijão e pão com ovo. Pobre é pobre.

por Ticcia, às 10:38 de 27.10.2005 - Categoria: Dieta
Ver Comentários

Da Série DIÁLOGOS PRÉ-BOLINAGEM

- Apolo.

- Hum! Então evoluiu?

- Não. A garçonete que me disse.

- Mas ROBERTA, tu nem ouviste a voz da criatura!

- Não precisa, Ti. Eu olhei. E senti o olhar dele.


por Ro, às 10:37 de 27.10.2005 - Categoria: Miudezas em geral
Ver Comentários

Da séria HILDA, A GATA - a revolta dos sem monitor



Hilda, a gata, está indignada. Desde a chegada do laptop, não tem mais o monitor de 17" para fazer de caminha aquecida. Tenta andar sobre o teclado, mia, se esfrega no monitor como quem diz "eu quero".

Notei que, porém, de três dias pra cá, Hilda insiste em ficar sempre no mesmo lugar: sobre a mesa, ao lado direito do laptop. Ontem descobri porquê: é onde fica a saída de ar quente. Eita.

por Ticcia, às 08:40 de 27.10.2005 - Categoria: Fatos e Fotas
Ver Comentários