21.10.2005

Olho que olha que olho que vê

E eis que, senhoras e senhores da platéia, nossa princesa foi almoçar no Ocidente. E eis que o bonitão-loiro-de-cabelo-estilo-californiano estava lá. E eis que Solineuzza foi conferir a operação e atestar a escolha sequisuar do rapaz (para aliviar o coraçãozinho apertado de nossa preocupada e duvidosa princesa).

Apertou na tecla verde e confirma: É HETERO! Excrusive, ela e Marli já tinha encontrado na noite, já tinham se apetecido e não levado.

Aguardem cenas dos próximos capítulos...
por Ro, às 16:21 de 21.10.2005 - Categoria: Informes Infames
Ver Comentários

PÁÁÁÁÁÁÁÁÁRA TUDO!

Todo mundo pro banho, lavar os cabelos, se talquear, pentear, passar gumex, botar roupa de sair, sentar comportado e parar com essas histórias de punheta e siririca nos comentários que mestre Idelber Avelar acaba de dizer que nós somos "o blog que mais tem me feito dar risadas nesse Brasil pós-mensalão".

Tem "me" feito, é feito "ele", entenderam, né seus lerdo? 'Cês são tistimunha que a gente tava tentando ser humilde e tal e cousa, mas assim é difícir, né, não? Aí os loquim surta e vem aqui jogá pedra ninóis. É fogo. Ser goxtosa dá um trabaaaaaaalho...

por Ticcia, às 15:28 de 21.10.2005 - Categoria: Informes Infames
Ver Comentários

DA MERDA NOSSA DE CADA DIA.

De quando em quando aparece alguém que se arvora no papel de menino mau e toca a comentar os posts de maneira gratuitamente agressiva. Não se trata de debater ou criticar, mas de esculhambar. Já teve um sem número de pessoas desse tipo, lembram?

Os comentários são pra comentar mesmo, dar opinião, fazer críticas, sim claro, ou não se chamariam “comentários”, chamar-se-iam (uia, mesóclise) “Jogue aqui o seu confete” ou “aplauda aqui”. É certo há gente que, mais cedo ou mais tarde, precisa descarregar a amargura da vida em algo ou em alguém. Por aqui passam mais de mil leitores diariamente. É, portanto, bem provável que às vezes apareça um espírito de porco. Normal. O mundo é assim e o blog é uma fatiazinha de mundo. Tem aqueles que gostam da gente e voltam, tem os que não gostam e optam por não voltar, tem os que não gostam e fazem questão de dizer isso de uma forma honesta e civilizada e, claro, tem aqueles que não gostam da gente e resolvem vomitar o que de pior têm em si aproveitando para descontar os recalques, as frustrações, a falta que faz aparecer, como incomoda a felicidade alheia, etc. A casa dos outros, porém, não é o lugar mais indicado pra isso.

O post é só para dizer que estamos abertas à crítica, sim, desde que não usem palavras de mais baixo calão do que as que usamos e não agridam ninguém, porque democracia é bão e eu gosto quando a gente mostra a cara e está aqui pra segurar as pontas da merda que fez e que disse. Quando pode dar o tapa e esconder a mão atrás do anonimato ou de pseudônimos de gosto duvidoso, o despotismo é para ambas as partes.

por Ticcia, às 14:39 de 21.10.2005 - Categoria: Informes Infames
Ver Comentários

Da série Correspondência Secreta - paulista arriscando gauchês

- Não vieste ou vieste e não me ligaste?

- Num fuime, e se fusse te ligarias. Esse gauchês é muito muito trilegal! rs




Eu posso com isso?

por Ticcia, às 12:54 de 21.10.2005 - Categoria: Correspondência Secreta
Ver Comentários

COZINHANDO COM AS MEGERAS




ARROZ ESPANHOL


Ingredientes:

1 taça de vinho tinto
3 xícaras de arroz
1/2 kg de coxas de frango
4 cebolas
2 colheres de óleo de oliva
1 cacho de uva vermelha
pimenta
sal a gosto

Modo de Preparo:

Quanto comprar o frango, é interessante pedir para o açougueiro serrar as coxas em dois ou três pedaços. Vamos lá! Colocar as coxas do frango para fritar até dourar (coxas de galinha não serve, por que como toda gente sabe, as galinhas tem a pele flácida) depois acrescentar as cebolas, cortadas em quatro partes na longitudinal, o sal e a pimenta. Fritar mais um pouquinho. Quando o frango estiver bem tostadinho, colocar os grãos de uva.
Esperar até as uvas intumescerem (vocês ainda lembram como ficam as coisas da natureza quando intumescidas!) e despejar a taça de vinho tinto. Deixar fritar mais um pouquinho, acrescentar o arroz, com mais uma pitadinha de sal (provem e não esqueçam que já tem pimenta) e continuar fritando, sempre lembrando de mexer o mínimo possível. Depois acrescentar água e deixar cozinhar.
O prato pronto rende de 4 a 6 porções.


por Ro, às 11:40 de 21.10.2005 - Categoria: Cozinhando com as Megeras
Ver Comentários

ALL THAT JAZZ.



John Pizzarelli, amanhã, 21h, no Teatro do SESI.

Nóis na primeira fila, que eu sou MacGyver.

por Ticcia, às 10:47 de 21.10.2005 - Categoria: Dicas Divinas
Ver Comentários

CANTADA

(Adriana Calcanhoto)

Depois de ter você
Pra quê querer saber
Que horas são?
Se é noite ou faz calor
Se estamos no verão
Se o sol virá ou não
Ou pra que é que serve uma canção
Como essa?
Depois de ter você
Poetas para quê?
Os deuses, as dúvidas?
Pra quê amendoeiras pelas ruas?
Para que servem as ruas
Depois de ter você?




por Ticcia, às 10:05 de 21.10.2005 - Categoria: Apoplexia Poética
Ver Comentários

ET TELEFONE MINHA CAAAAAAAAAAASA.

- Alô?
- HAUHAUHAUAHUHAUAHUAHUAUAUAHU.
- Alô?
- HUAHUAHAUHAUHAUAUHAUAUHAUAHU.
- Roberta, demente, é tu?
- HAUHAUHAUAUAHU... tu tá vendo a novela? HUAHUAUAUA.
- Não...
- Então liga lá... HUAHUAHAUHAUA... a Kátia cega... HAUHUAHUA.
- Ah não!
- HUAHUAHUAHUAHUHAUAU... sim... HUAHUAHUAHUAUA...


(acho que a essas alturas ela já tava se mijando toda de rir)

- Pelamordedeus! É a Kátia cega! Facelo, olha isso...
- HAUHAUHAUHAUAUAUHAUHAU.
- HAUHAUHUAHUAHUAHUHAUAAHAU.


E o Facelo canta o estribilho juntim, com incontida emoção:

- ... eu já nem me lembro quanto tempo faz, mas eu não me esqueço que te amei demais e nem mesmo o tempo conseguiu fazer esquecer vo-cê...

É o que eu digo senhoras e senhores, pior do que ter uma marida que liga lá do fim do mundo pra guinchar de tanto rir no telefone e prestar a relevante informação à sociedade de que a Glória Perez, a maior gênia que a TV brasileira já viu, amealhou mais uma aberração para o círculo dos horrores chamado novela das oito chamando a Kátia Cega pra dar entrevista e cantar no pogrami do birolho filho do rei, é ter um irmão (eu fui trocada na maternidade, pelamordedeus, Mendel não explica isso) que sabe o refrão da música da Kátia Cega de cor e canta de olhinhos fechados.

Assim não dá. Alguém me paga uma passagem de volta (de executiva, craro, que eu sou a criatura mais malacostumada do mundo). Eu não sou daqui. Eu não pertenço a essa realidade. Socorro.

por Ticcia, às 08:50 de 21.10.2005 - Categoria: Correspondência Secreta
Ver Comentários

Vem meu ursinho querido, meu companheirinho, ursinho Pimpão...

Na minha opinião, essa história do Reverendo é uma palhaçada. Mas eu não freqüento o Templo e sou uma mulher atoa e descrente.
Contudo, como este blog costuma prestar relevantes serviços sociais, para quem quiser rezar antes de ir ao confessionário, a legislação do desarmamento tá aí embaixo.

[clique aqui para ler o texto na íntegra]
por Ro, às 08:48 de 21.10.2005 - Categoria: Boca no Trombone
Ver Comentários